Um olhar de esperança para a ordem e o progresso

Artigo escrito por Gilberto Barreto Jr., coordenador estadual do PRB Juventude Bahia

Publicado em 12/08/2017 - 00:00

Com a instalação de inúmeros escândalos que desestabilizam o cenário político atual, levanta-se a seguinte discussão: o que de fato é política e qual o papel da população na atual conjuntura? E ainda: o que é ser um político no Brasil? O povo ocupou as ruas reivindicando mudanças e mais uma vez, como na Constituinte, a sociedade brasileira se mostrou decisiva, tendo hoje a maior parcela contribuinte desta mudança, a juventude.

Historicamente a juventude ocupa espaços que de fato fazem dela um grupo importante para as decisões democráticas do país. Atualmente, somos 27% do eleitorado nacional, segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Apesar de nós, jovens, sermos um dos principais fatores para a mudança do cenário político, a nossa participação efetiva nos espaços de poder é ainda muito pequena e desigual, tendo em vista que o número de jovens vereadores eleitos em 2016, correspondem a apenas 7,8%, enquanto nas eleições de 2012, eram 8,7%. De modo que é necessário dar um novo sentido ao que é representação política.

A comunidade jovem do nosso país tem o dever de dar um novo rumo às questões éticas e morais da nossa nação, pois mudar é preciso e essa mudança só será possível quando a velha política hereditária se acabar e os jovens, por sua vez, estimulados e devidamente capacitados, sejam conduzidos a cargos eletivos e aos demais espaços de poder.

Sobretudo, a juventude brasileira se mostra preparada para fazer acontecer de norte a sul. O discurso dos velhos políticos diz que os jovens são despreparados e cabeças vazias, porém, isso não condiz mais com a retratada realidade. A juventude é a mola propulsora da transformação política. É preciso empoderar-se como sujeitos de direito e promotores da renovação política, bem como compreender que a juventude precisa estar à frente das questões e decisões do nosso país, que terão impactos positivos a médio e longo prazo, fazendo política com um novo tom, com novas ideias e sentidos.

Entretanto, é preciso que a juventude brasileira adentre às Casas legislativas e grupos políticos, pois mudar é preciso, e só com o vigor e o desejo de revolução da juventude atual será possível caminhar em um projeto político de renovação, com valores éticos e caráter moral semeados para bons frutos, para vivermos na mais repleta ordem e progresso.

*Gilberto Barreto Jr. é militante republicano e coordenador estadual do PRB Juventude Bahia.

Reportar Erro