Secretaria comandada por Aline Gurgel lança aplicativo para proteger mulheres

Ferramenta será lançada no dia 28 de março e vai monitorar e acompanhar denúncias de agressão ou ameaça contras amulheres no Amapá

Publicado em 20/03/2018 - 00:00

Secretaria comandada por Aline Gurgel lança aplicativo para proteger mulheres do Amapá
Ferramenta será lançada no dia 28 de março e vai monitorar e acompanhar denúncias de agressão ou ameaça contras amulheres no Amapá

Macapá (AP) – Com o objetivo de auxiliar mulheres de forma preventiva em situações de violência, a Secretaria Extraordinária de Políticas para as Mulheres do Amapá, comandada pela republicana Aline Gurgel (PRB), lançará no dia 28 de março o aplicativo “Denuncie Mulher Amapá”. O aplicativo (APP), que poderá ser baixado gratuitamente por celulares e tablets, vai acolher denúncias de casos de violência contra a mulher e realizará todo o fluxograma que compõe a Rede de Atendimento à Mulher.

A disponibilidade do recurso tecnológico, segundo a secretária Aline Gurgel, é resultado de parcerias com o Centro de Gestão da Tecnologia da Informação (Prodap), Ministério Público e Tribunal de Justiça e contará com o apoio total da Procuradoria Geral do Estado.

“O aplicativo ‘Denuncie Mulher Amapá’ é inédito no país, pois não é um aplicativo só de denúncia, mas de monitoramento da rede de atendimento à mulher. A partir do momento que a mulher tiver o aplicativo, ela poderá fazer um cadastro como se estivesse na delegacia e as redes de atendimento da mulher vão ter acesso à denúncia e o caso será encaminhado para a entrada na qual ele se enquadre. Também acionamos o conselho do direito da mulher para que ele faça o monitoramento para que esse sistema esteja funcionando a contento da população”, explica a secretária.

Aline acredita que a ferramenta será essencial e vai ajudar na diminuição da violência contra as mulheres no estado. “Vamos reduzir os índices de violência e criar políticas públicas efetivas. Hoje sem dados, sem saber que tipo de crime assola as mulheres, você faz política no escuro. E isso é prejudicial ao avanço da segurança para as mulheres. Então, vamos fechar o cerco e ter dados estatísticos e monitoramento dessas mulheres vítimas de violência para que elas não venham até a chegar a óbito”, ressalta a republicana.

Os órgãos que vão compor a rede de proteção à mulher são: Hospital de Emergência (HE), Polícia Militar (PM), Ministério Público Estadual (MPE), Tribunal de Justiça do Amapá (Tjap), Centro de Referência em Atendimento à Mulher (Cram), Centro de Atendimento à Mulher e à Família (Camuf), Defensoria Pública do Estado (Defenap), Polícia Técnico-Científica (Politec) e a Casa Abrigo Fátima Diniz.

Texto: Agência PRB Nacional
Foto: Douglas Gomes

Eu repórter republicano

Quer ser um repórter republicano e ver sua matéria publicada no Portal PRB? É muito simples. A Agência PRB Nacional disponibiliza um contato direto para receber todo o conteúdo (textos e fotos). Anote aí o e-mail: pautas@prb10.org.br. Viu como é fácil? Agora é só participar e nos ajudar a manter esse canal sempre atualizado.

Reportar Erro
Send this to a friend