Governo incentiva aumento da produção de soja de forma sustentável no TO

Secretário da Agricultura, Pecuária e Aquicultura (Seagro), César Halum (PRB), palestrou no seminário “Soja Responsável – Produzindo com Sustentabilidade Ambiental”

Publicado em 17/07/2019 - 00:00

Palmas (TO) – Em seu discurso no seminário “Soja Responsável – Produzindo com Sustentabilidade Ambiental”, o secretário da Agricultura, Pecuária e Aquicultura (Seagro), César Halum (PRB), ressaltou a importância de aumentar a produção de soja no Tocantins, utilizando as práticas da produção sustentável. “Estamos no caminho certo, produzindo de forma sustentável, respeitando a legislação ambiental, a expectativa é colher na próxima safra, 4,7 milhões de toneladas de grãos, destes, 3,3 milhões de toneladas serão de soja”, destacou.

Iniciativa da Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado do Tocantins (Aprosoja) em parceria com o governo do estado, por meio da Seagro, o evento ocorreu na segunda-feira (15), no auditório da Assembleia Legislativo, na praça dos Girassóis, em Palmas.

Halum destacou ainda que nos últimos 30 anos o Tocantins teve um crescimento de 560% na área plantada de soja e 760% na produção. “Estes números mostram o potencial de crescimento, agora necessitamos industrializar a soja no Tocantins, visando melhor arrecadação e geração de emprego no Tocantins”, enfatizou.

Para o presidente da Aprosoja/TO Maurício Buffom, o Tocantins produz de forma responsável. “Respeitamos a legislação vigente, preservando 35% da área de produção nas propriedades, áreas de reservas legais. Isso mostra a responsabilidade ambiental para o desenvolvimento do agronegócio sustentável”, afirmou.

Já para a produtora de soja, no município de Porto Nacional, Caroline Barcelos, os produtores de soja no Tocantins respeitam as leis ambientais. “Estamos produzindo dentro dos padrões ambientais, o produtor está responsável, pois sabemos que é uma questão de interesse global”, considerou.

Também participaram do evento, produtores rurais do Maranhão, Piauí, Bahia, Goiás, Mato Grosso, além de parlamentares, autoridades do Poder Executivo, e representantes dos Ministérios do Meio Ambiente e da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Texto e foto: Ascom – Seagro/TO

Reportar Erro