Arimateia participa de congresso sobre engenharia sanitária

30º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental da Abes ocorreu no Rio Grande do Norte

Publicado em 19/06/2019 - 00:00

Salvador (BA) – O deputado estadual José de Arimateia (PRB-BA) participou, na segunda-feira (dia 17), no Centro de Convenções de Natal, no Rio Grande do Norte, do 30º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes). O republicano, que é presidente da Comissão do Meio Ambiente, Seca e Recursos Hídricos da Assembleia Legislativa da Bahia, representou o Parlamento Baiano no evento considerado como o mais significativo e de destaque da área no Brasil.

“O estado da Bahia precisa avançar nas questões sanitárias e ambientais, de forma a intervir em campos ligados a análise de riscos ambientais de um melhor planejamento sanitário regional e urbano, intensificar as auditorias ambientais e sanitárias e os estudos de impacto ambiental. Acredito que com essas medidas teremos uma capacidade maior para prevenir acidentes, recuperar áreas degradadas e promover o desenvolvimento sustentável”, opinou Arimateia, ressaltando, mais uma vez, que no âmbito da saúde, 70% das internações do Sistema Único de Saúde (SUS), sejam de origem de doenças que poderiam ser evitadas se existisse um maior investimento em saneamento básico.

A cerimônia foi aberta pela governadora do Rio Grande do Norte, Fátima Bezerra, por meio da palestra “A importância do Saneamento”. Para ela trata-se de uma proposição muito importante, atual e contemporânea, que é exatamente a questão do saneamento ambiental, principalmente no aspecto de como tratar igual os desiguais. A gestora ressaltou que a água limpa e segura e o saneamento são direitos humanos essenciais declarados pela Assembleia Geral das Nações Unidas, sem o qual não se pode gozar plenamente a vida ou acessar os demais diretos sem eles.

“Falar da importância do saneamento é falar principalmente da relevância da saúde da nossa população, pois representa um dos maiores investimentos no topo da saúde e a sua ausência incide diretamente em doenças que insistem ainda em prejudicar as pessoas, como a dengue, verminoses, chikungunya, entre tantas outras. Infelizmente, 2,5 bilhões de indivíduos ainda sofrem com a falta de acesso a serviços de saneamento”, disse a governadora, opinando que o Brasil ainda não tem um quadro positivo de saneamento, em especial, nos serviços de esgoto, situação que para ela expressa um déficit do ponto de vista de cidadania muito grave.

O congresso acontece ao mesmo tempo que a Feira Internacional de Tecnologias de Saneamento Ambiental (Fitabes), ato de tecnologias de saneamento ambiental de toda a América Latina.

Texto e foto: Ascom – deputado estadual José de Arimateia

Reportar Erro