AL/BA sedia 1º Congresso de Óptica e Optometria do Norte e Nordeste

Evento é uma iniciativa do deputado estadual José de Arimateia (Republicanos-BA)

Publicado em 19/09/2019 - 00:00

Salvador (BA) – O presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Saúde e Institutos de Pesquisas Afins na Bahia, deputado estadual José de Arimateia (Republicanos-BA), realizou na manhã de quarta-feira (18), a abertura do 1º Congresso de Óptica e Optometria do Norte Nordeste. O evento, que acontece no Auditório Jornalista Jorge Calmon até esta quinta-feira (19), foi idealizado em parceria com o Sindicato das Empresas do Segmento Óptico e Optométrico do Estado da Bahia (Sindióptica), organização presidida por Juarez Gonçalves da Hora. Hoje, a Bahia conta diariamente com 620 oftalmologistas para 15 milhões de habitantes.

Segundo informações da Sociedade Baiana de Óptica e Optometria (SBOO), o Brasil soma atualmente mais de seis mil optometristas, 9.527 no Nordeste. Já no estado da Bahia, mais de mil profissionais batalham para serem inseridos na atenção primária.

Em seu discurso de abertura, Arimateia falou sobre a crescente demanda da população necessitada de cuidados primários visuais. Segundo ele, o Sistema Público de Saúde, já saturado, não consegue completar em sua totalidade, sendo assim necessário, neste panorama atual, o suporte dos optometristas. “Quero me referir e cumprimentar a todos vocês, sem exceção: técnicos, graduados em nível superior e pós-graduados, cuja causa eu apoio incondicionalmente e em todos os níveis da educação. Precisamos ressaltar a importância da luta pelo acesso universal de saúde visual na atenção básica”, enfatizou José de Arimateia.

Como um defensor assíduo da Saúde na Bahia, o parlamentar lembrou a sua luta pela causa dos optometristas, desde o ano de 2013. Neste contexto, ele ressaltou o momento em que entregou ao embaixador da Organização das Nações Unidas, Jorge Chediek, um documento solicitando a inclusão da optometria no Sistema Único de Saúde e Programa de Saúde da Família.

O parlamentar destacou, ainda, que neste mês de setembro participou ativamente do lançamento da Frente Parlamentar da Optometria, em Brasília. “Uma grande e merecida conquista, além de uma felicidade, pois a iniciativa foi do deputado federal Aroldo Martins, do Partido Republicanos. Estamos unindo forças!”, exclamou Arimateia.

Presente no evento, o deputado federal Márcio Marinho, presidente estadual e vice-presidente nacional do Republicanos, reforçou o seu compromisso e apoio da bancada à causa. “Temos uma bancada de 31 deputados federais, um senador, todos aptos e querendo defendê-los, mas é importante que vocês, quando forem convocados para participarem de debates em Brasília, façam esforços para estarem presentes. Vamos cada vez mais nos unir para chegarmos no objetivo comum, que é o reconhecimento da profissão da optometria”, ressaltou Marinho, que esteve acompanhado do vereador Luiz Carlos; do deputado estadual Jurailton Santos; e do vereador Toinho do Judô (todos do Republicanos-BA) .

O optometrista e presidente do Sindióptica, Juarez Gonçalves da Hora, iniciou o seu discurso pedindo ao público presente uma salva de palmas ao deputado José de Arimateia, pois ele classifica o parlamentar como o primeiro a incorporar a causa da optometria na Bahia. Em seguida, discorreu sobre a relevância da optometria para a Saúde Pública da Bahia. “Nós fazemos trabalho de atenção básica. A nossa luta é oferecer para a sociedade a saúde visual com zelo, amor, dedicação e muita responsabilidade”, disse Juarez.

Conforme relatou o presidente do Conselho Brasileiro de Óptica e Optometria (CBOO), Ricardo Bretas, a Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que a optometria seja a primeira barreira contra a cegueira e, o optometrista o agente primário, preparado para realizar esse atendimento com a finalidade de prevenir a patologia. “No dia em que o oftalmologista entender que o optometrista não é um inimigo, mas sim um parceiro a Saúde Pública visual no Brasil vai apresentar uma melhora enorme, primeiro com o desacumulo de filas de espera para um atendimento primário, segundo, porque as pessoas deixaram de ter doenças diagnosticadas tardiamente”, ilustrou Bretas.

Texto: Ludmilla Cohim / Ascom – deputado estadual José de Arimateia
Edição: Agência Republicana de Comunicação (ARCO)
Fotos: Helena Oliveira

Reportar Erro