Como fazer impulsionamento nas Eleições 2020: dicas de especialista

Desde agosto deste ano, o usuário que desejar criar anúncios de cunho político ou eleitoral, passará por um processo de autorização

Publicado em 19/10/2020 - 09:00

Brasília (DF) – Esta é uma eleição desafiadora. Não só pela pandemia, que vai concentrar as ações de comunicação no digital, mas também porque é a primeira eleição municipal em que a legislação eleitoral permitirá a utilização de impulsionamento de conteúdos nas redes sociais.

Antes de falar como realizar publicações impulsionadas, primeiramente vamos entender a diferença entre orgânico e pago. Uma publicação realizada de forma orgânica é aquela sem investimento de valor para a entrega, já a paga, é quando você amplia o alcance pela rede social, com o investimento de um valor específico.

A publicação impulsionada possibilita a segmentação de público direcionado. Nela, você consegue selecionar qual o raio de geolocalização deseja atingir, o gênero, a idade, os tipos de interesse, os comportamentos e até mesmo direcionar o anúncio para uma lista de e-mails ou telefones, que você possui em seu banco de dados.

Convidamos você, que está lendo essa postagem, antes de mais nada, ao estudo de como anunciar, seja através de vídeos no YouTube, ou com a leitura sobre o tema, pois de nada vale a ferramenta, sem o entendimento do seu manuseio e sem um escopo estratégico para definir o objetivo preciso e configurar o impulsionamento de forma correta.

Dentre os objetivos, você poderá escolher a captação de leads, o envolvimento, levar tráfico para o seu site, a chamada/ conversão para alguma ação (baixar e-book, clicar em determinado link, etc.). Ou seja, é necessário planejamento e expertise, pois só apertar o botão impulsionar irá levar a um gasto de dinheiro em vão e sem retorno efetivo.

Agora vamos para a parte prática. Como fazer anúncios políticos? Não explanaremos aqui o passo a passo para realizar um anúncio, mas situaremos os candidatos a este pleito, sobre algumas mudanças na plataforma do Facebook (que anuncia tanto para Facebook quanto Instagram) para as Eleições 2020.

Desde agosto deste ano, todo usuário que desejar criar anúncios de cunho político ou eleitoral, passará por um processo de autorização. Após isso, para veiculação do anúncio, o usuário terá que criar um rótulo de anúncio “Pago por” ou “Propaganda Eleitoral”.

É preciso entender o que o Facebook considera anúncios de cunho político ou eleitoral. De acordo com a plataforma, são eles:

  • Conteúdos preparados por, encomendados em nome de ou relacionados a um candidato atual ou ex-candidato a um cargo público, a uma figura política, a um partido político ou que defende o resultado de uma eleição a um cargo público;
  • Conteúdos sobre eleições, referendos ou iniciativas de votação, incluindo campanhas de incentivo ao voto ou eleitorais.

Se o seu conteúdo se encaixa no que o Facebook considera um anúncio político ou eleitoral, então é preciso:

  • Confirmar sua identidade, tenha você um perfil pessoal ou uma página para alguma organização;
  • Confirmar residência no Brasil;
  • Confirmar e-mail, telefone e website;
  • Fornecer CNPJ de campanha.

Feito isso, o anunciante pode criar um aviso legal e passa a selecionar os rótulos “Pago por” ou “Propaganda Eleitoral” para marcar as publicações que assim necessitarem. Os anúncios rotulados ficarão disponíveis por sete anos na Biblioteca de Anúncios do Facebook para que qualquer pessoa possa saber mais sobre as peças publicitárias.

Vamos abrir um parênteses e ressaltar alguns pontos da legislação eleitoral e a relação com as postagens impulsionadas. Uma dúvida muito comum é se o “Pago por” e “Propaganda Eleitoral” possuem o mesmo valor para o Facebook e também para o TSE. A resposta é sim, porém para impulsionar é preciso ficar atento às seguintes exigências da legislação:

1) Número de inscrição no CNPJ;
2) A expressão “Propaganda Eleitoral”.
3) Só pode ser contratado por partidos, coligações e candidatos e seus representantes, proibido a contratação de disparos em massa de conteúdo;
4) O impulsionamento deve ser contratado diretamente com provedor de aplicação de internet, empresas com sede e foro no País, ou de sua filial, sucursal, escritório, estabelecimento ou representante legalmente estabelecido no país;
Só pode ser empregado com a finalidade de promover ou beneficiar candidatos e suas agremiações.

Dito isso, vamos entender o processo de confirmação de identidade e criação de rótulos de anúncios. Gravamos um vídeo para mostrar esse passo a passo.

O Facebook disponibilizou a Central do Candidato Eleições Municipais 2020 – Brasil. Acesse.

Para baixar a apresentação, explanada no vídeo, clique aqui.

O E-book do Candidato Republicano está disponível na nossa página Espaço do Candidato Republicano.

 

Por Agência Republicana de Comunicação (ARCO)

Conheça o Espaço do Candidato Republicano

Na página exclusiva, você encontra modelos de materiais de propaganda, dúvidas frequentes, E-book do Candidato Republicano, orientações sobre a legislação eleitoral, dicas para campanha nas redes sociais e outros. Acesse agora e aproveite ao máximo tudo que preparamos para ajudar você durante a campanha.

Reportar Erro